Koka - Reforma dos Manicômios no Brasil
Reforma dos Manicômios no Brasil
29/02/20243 min
Acessibilidade
Compartilhar

Reforma dos Manicômios no Brasil

Por muitos anos, a realidade dos manicômios no Brasil chocou pela brutalidade e violência com que os internos eram tratados. Negligenciados, eles eram vítimas de violência física e psicológica e ficavam presos sem ter quase nenhum contato com a sociedade. Diante de tanto absurdo, surgiu a necessidade de repensar o assunto e em 2001, por meio da Lei 10.216, essa situação começou a mudar.

Iniciou-se um movimento gradual de fechamento de hospícios no país, e a forma como os internos eram cuidados também mudou. Ao invés de ficarem presos, atados em camisas de força e recebendo choques elétricos, eles começaram a ter assistência psicológica e médica, visando a reintegração à sociedade. A reforma também definiu a criação dos CAPs (Centros de Atenção Psicossocial) e argumentou que os pacientes só seriam internados se o tratamento fora do hospital se mostrasse ineficaz.

Apesar dessa lei ter sido criada há tanto tempo, ainda há manicômios sendo fechados em pleno 2024. O Hospital Psiquiátrico Santa Mônica, que fica em Petrópolis (RJ), por exemplo, encerrou suas atividades no dia 8 de fevereiro. Isso prova como a questão manicomial no Brasil ainda precisa ser levada com mais seriedade. Felizmente, existem vários filmes e documentários que tratam sobre o tema.

Um dos documentários brasileiros sobre saúde mental mais importantes dos últimos tempos, 'Holocausto Brasileiro', mostra a realidade do que acontecia no Hospital Colônia em Barbacena (MG) nas décadas de 1900 até 1980. O local foi um dos hospícios mais famosos do Brasil e recebeu milhares de internos ao longo dos anos. Entre eles, estavam os que realmente sofriam de alguma doença mental, mas também pessoas LGBTI+, mulheres que não se casaram virgem, as que foram abandonadas.

Faça login para comentar
Faça um comentário:

Comentários:

0 Comentários postados

Entre em contato para assuntos comercias, clique aqui.

Veja também: